Reflexões sobre a Lua

“O sol é seu pai, a lua é a mãe.

O vento o trouxe em seu ventre.

A terra é seu nutriz e receptáculo.”

Segunda feira é dia da Lua que está em sua moradia: Câncer, e por isso vamos aproveitar para refletir com mais profundidade sobre esse luminar tão importante para humanidade, e obviamente, fundamental na Astrologia

Desde a antiguidade, a Lua era vista como sinal de fertilidade, devido a sua enorme influência na Agricultura, passando por rituais de magia, a guia do homem nas suas grandes navegações.

Por muito tempo a Lua era considerada como uma divindade feminina que servia de culto para grandes civilizações matriarcais.  É Sophia, a sabedoria ancestral: a intuição da gnose.

Aliás, a Lua está intimamente ligada às mulheres, já que o ciclo lunar ao redor da Terra dura aproximadamente 28 dias, e o ciclo menstrual feminino também. De acordo com o Hermetismo, que através da lei da correspondência afirma que “como é em cima, também é embaixo”, por analogia, as mulheres seriam filhas da Lua, logo sua influência no psiquismo tanto das mulheres quanto dos homens é enorme, haja vista que a Lua interfere no ritmo das águas, logo afetará diretamente a bioquímica corporal, pelo fato de quase 70% dela ser composta por água.

Durante os quatro primeiros anos de vida, quem nos influencia é a Lua (mãe). Ela rege no nosso corpo: estômago, seios, útero, mucosas, a fertilidade, secreções, e também o nosso sistema linfático. Influência na menstruação das mulheres, e o canal lacrimal.

Em estado de desarmonia a Lua pode causar problemas como miopia, tumores, desmaios, tonturas, vertigem, epilepsia, conjuntivite, sonambulismo, catarros, histeria, depressão, mania de perseguição, paranoias… “Fulano está lunático”, provavelmente está sofrendo os efeitos da Lua.

A Lua representa Yin, o princípio passivo, receptivo, o passado, o lado esquerdo do corpo, o encontro entre a matéria e espírito. No mapa astral ela corresponde às heranças maternas, a memória! Faz analogia com figuras marinhas, pesca, líquidos, alimentação, nutrição, lugares aquáticos, instabilidade emocional, mediunidade, alma, duplo etéreo, imaginação,  ingenuidade, lar, intimidade, bebidas, sonhos, timidez, vícios, neuroses, família, desejo de segurança, carência, medos e raízes.  Na Astrologia mundial ela é o povo!

É na Lua que a vida começa. Como reencarnamos na Terra, as características de como foi a maternidade, ela representa o inconsciente, as emoções , suas percepções e intuições. Através de uma ótica “Jungiana” ela representa a nossa “anima”, o nosso lado feminino.

A Lua é sentimento, o mundo mais íntimo, seu infinito particular, que possui quatro fases bem distintas, e um outro lado, completamente desconhecido (Lilith)…

Observe ao longo do dia, as diferentes oscilações de humor, pois é a Lua afetando, alterando a realidade diariamente, como no ritmo das marés: ora em baixa, ora em alta… O jeito é aprender a navegar e se sintonizar com as ondas lunares da Rainha da Noite!

A Lua Nova é uma fase egoísta, é hora de olharmos para nossos desejos e nossas aspirações, é quando ocorre a união divina entre o Sol e a Lua num mesmo signo, indicando o início de uma nova lunação. Um novo ciclo que começa, uma Lua que serve para iniciar qualquer tipo de trabalho, inclusive mágico.  É momento de agir e plantar novas sementes, período de forte agitação social. Representa o arquétipo de Hécate.

Já na Lua Crescente, o movimento que foi iniciado ganha força, é hora de dar continuidade nos empreendimentos, e continuar a plantar, agir com coragem e decisão em busca da realização de seus propósitos. O ideal que fora plantado na Lua Nova agora se choca com a realidade, e os desafios surgem, é o momento de acreditar e confiar em sua fertilidade. Essa Lua serve para lutar pelos seus objetivos, mantenha o foco e a disciplina durante esse período. Representa o arquétipo de Deméter.

Lua Cheia é o ápice de energia, é chegado o momento da colheita daquilo que foi plantado, ou seja, esse momento pode ser de muita alegria, ou de crise e frustração por não ter conseguido realizar seu intento. Há quem diga que Buda se iluminou numa Lua Cheia, pois é quando se chega a um limite de alguma situação, podendo trazer profundas revelações, insights, modificando inclusive, o rumo do caminho desejado.  Tudo que vinha sido trabalhado ao longo dessa lunação vem à tona, tanto os erros, quanto os acertos. É a Lua do Lobisomem, os instintos mais animais assumem a cena, e o tesão fica à flor da pele.  Representa o arquétipo de Afrodite.

E quando a Lua se aproxima da sua fase Minguante, é chegado o momento de finalizar o que ainda está pendente, traz uma tendência de maior introspecção e reflexão, auxiliando inclusive o estudo das ciências ocultas. Algumas pessoas se sentem depressivas nesse período, pois há uma considerável baixa energética. É recomendado mudar o foco de fora para dentro. Práticas espirituais como a meditação são extremamente recomendadas nesse período. Recolha-se em seu mundo mais interior, faça uma recapitulação sobre os últimos acontecimentos, observe seus padrões de comportamento, busque o autoconhecimento, com terapias holísticas e naturais e evite grandes eventos sociais e multidões. Representa o arquétipo de Perséfone.

E ainda existe a Lua Vazia, ou fora de Curso, que alguns Astrólogos mais tradicionais costumam ironizar, mas se você observar com bastante atenção, ela afeta sutilmente e subjetivamente o nosso dia a dia, com atrasos, devaneios, enganos… Esse fenômeno acontece quando a Lua está em sua fase de transição de um signo para o outro, sem receber nenhum tipo de aspecto. Representa o arquétipo de Éris, a deusa do Caos. Inclusive, ao longo de uma lunação de 28 dias, a Lua irá transitar pelos diferentes 12 signos do zodíaco, modificando drasticamente seu humor.  Dependendo dos aspectos, quando a Lua estiver em Áries, será perceptível o aumento da pressa e da irritação, quando a Lua estiver em Touro, será visível o aumento da gula e da preguiça e quando a Lua estiver em Capricórnio, o mau humor se instalará. Por isso é fundamental a humanidade aprender a voltar a se guiar pela Lua, para que haja um maior alinhamento e equilíbrio entre o céu e a Terra.

Precisamos compreender que vivemos sob égide do “Calendário Gregoriano”, um calendário totalmente antinatural ao nosso ritmo biológico. Insisto em dizer que somos seres lunares. Inclusive as tendências solares ganham maior ênfase e predomínio, somente após o temível “Retorno de Saturno”. Isso explica o fato de algumas pessoas ficarem decepcionadas ao lerem as descrições dos seus signos solares.Não se reconhecem e nem se identificam, pois somos seres emocionais. Somos seres da Lua! Homens e, principalmente, mulheres são extremamente afetados pela influência da Lua.  Oscilamos de um lado para o outro, criamos expectativas, sonhamos, temos medo e começamos a nos apaixonar através da Lua, pois a empatia começa na Lua.

Numa Sinastria de Casal, mesmo que os planetas Marte e Vênus combinem, se a Lua estiver muito tensionada, dificilmente essa parceria dará certo por muito tempo, pois sem intimidade, um relacionamento não dá “liga”, não se conecta. Às vezes você conhece uma pessoa, e sem motivo algum, você “não foi com a cara dela”… Foi um choque entre Luas.

Dizem que se o Sol se apagar, a humanidade conseguirá sobreviver por uns seis meses. Caso a Lua seja retirada do nosso sistema, não suportaremos nem um minuto. É a Lua que faz nosso cabelo crescer, é ela que nos coloca com os pés no chão. A magia é o resultado de um antigo caso de amor entre a Terra e a Lua. Os antigos sumérios já diziam o que agora alguns pesquisadores confirmam: Há bilhões de anos atrás, a Lua surgiu após uma enorme colisão que atingiu a Terra, ou seja, ela é um pedaço que se separou e se deslocou no espaço, e o cinturão de asteroides, seriam os restos dessa explosão.  Essa teoria confirma o quanto a Lua e Terra estão interligadas.

É fundamental conhecer e compreender as dinâmicas do seu comportamento lunar, pois é através dela que você encontrará o seu equilíbrio emocional para enfrentar as duras batalhas impostas por Saturno. Uma Lua mal nutrida causará distúrbios, como profundos estados melancólicos, surtos depressivos e até ataques suicidas. É imprescindível aprender a compreender os diferentes estágios emocionais que são influenciados pelas distintas fases lunares, perceber os nuances dentro do ritmo do cosmobiológico e como isso interfere no dia a dia, e aos poucos, aprender a “surfar” nessa “onda” ao utilizar a energia ao seu favor, além de aprender que tudo passa.

Outro fato importante diz respeito ao “Fundo da Alma”, casa IV, morada de Câncer, regida pela Lua, refere-se à família. O “Meio do Céu”, casa X, morada de Capricórnio, signo oposto, regida por Saturno, refere-se ao reconhecimento profissional. Esse eixo família-trabalho é fundamental para a realização social do indivíduo. A maioria das pessoas almeja ter algum sucesso dentro da sociedade, se destacar por alguma habilidade, seja pelo seu trabalho ou algum talento artístico. E para chegar a tal objetivo árduo e difícil – afinal a casa X é regida por Saturno, o senhor do tempo – a Astrologia nos ensina, que antes de almejarmos tal realização pessoal, é preciso que a base, a estrutura, a ancestralidade, ou seja, a casa IV esteja bem resolvida. Não adianta ter sucesso, fama, status, poder social, se você estiver profundamente infeliz em seu mundo mais íntimo. A casa X, o palco, é diametralmente oposta a casa IV, o camarim.

É através de um profundo mergulho bem no fundo da sua alma, que encontrará forças em suas raízes para chegar ao topo da montanha.

Afinal, quem tu és?!

A imagem que você reflete (Casa X) está coerente com o seu mundo particular (Casa IV)?!

Nessa noite, quem você levaria para dentro do seu quarto?!

A maior prova de amor é a intimidade!

: :

Comentários

Coentários