20-08-2015: “Quem olha pra fora sonha, quem olha pra dentro desperta”

reconstrução

Hoje no céu temos Vênus retrógrada fazendo trígono com Urano até amanhã.
Sol faz quadratura com a Lua, que ingressa no signo de Escorpião, e faz sêxtil com Júpiter.
A noite faz quadratura com Marte e trígono com Netuno.

“Ganha quem sabe perder. E perde quem não sabe ganhar.”

As feridas cicatrizam com o passar do tempo. Não há sofrimento que dure para sempre.
Após a tempestade, sempre virá a calmaria.

É o momento de olhar para dentro de si, e observar-se, para absorver, e entender cada vez
mais os padrões e condicionamentos que carregas, e que te impedem simplesmente de ser mais. Ser mais autêntico, ser mais original, ser mais amoroso, ser mais você.

Foram seus pensamentos, palavras, atitudes aliados com suas emoções que te trouxeram até aqui.

Num mundo cada vez mais robotizado, dopado por calmantes, sentir, se emocionar, se permitir a sonhar está ficando cada vez mais raro.

As pessoas morrem de medo de se expor. Acham que com isso estarão passando o ridículo ao demonstrarem suas “fraquezas”. Essa postura inabalável só traz enrijecimento ao corpo.

É preciso aprender a fluir com a vida. Já que oscilarás entre a dor e o prazer. Conhecerás a vitória, e também a derrota. Precisarás experimentar o doce e o amargo.

A decepção, o fracasso, só batem na porta daqueles que ousam…

De nada adiantará toda essa busca se você simplesmente ainda tem medo.

Não resolve comprar livros de auto-ajuda, tratados herméticos, deixar seu mural recheado de frases bonitas e de efeito. Você ainda está na superfície. Não mergulhaste no abismo.

De nada adiantará ter feito cursos e cursos de especialização. Seus diplomas são o reflexo do medo de não ser reconhecido.

Não adianta contratar o melhor coaching, psicólogo, astrólogo ou terapeuta. Você simplesmente tem medo de mudar, e por isso se apóia em bengalas.

O que você precisa é coragem.
O medo é a origem de todos os males.
Ele te paralisa, ele desconfia, ele suga sua energia.
Enquanto você não lutar contra o seu medo do escuro, você continuará a se assustar sempre que topar com a primeira pedra no seu caminho.
Sua mente vai encontrar milhares de justificativas para satisfazer seu ego perante a frustração. Fará projeções, se colocará como vítima, encontrará uma razão que aumentará ainda mais a sua paralisia. Seu corpo vai adoecer!
Alguns mais fracos vão querer cometer suicídio. Outros se entupir de remédios e drogas.

Toda a fuga é uma questão de medo. Medo de aceitar as mudanças. Medo de permitir o inevitável: sem morte, não há vida. Não acontece a transformação.

Quanto mais profundo for aos extremos opostos de cada polaridade, maior será sua compreensão sobre o Todo. Como queres conhecer o equilíbrio, sem nunca antes ter tocado nas pontas? Como queres descobrir o êxtase, se foges da dor?! Como reconhecer o sagrado, sem nunca ter vivido o profano?
Como queres chegar ao centro, se jamais caminhou pela periferia?

A vida se descobre na rua. Na ação. Em contato com diferentes pessoas, em diferentes situações. Quanto mais conheceres o ambíguo e o contraditório, maior será sua visão perante o grande paradoxo da vida. Maior será seu entendimento sobre a realidade. Mais perto de Deus estará.

Há raiz de todos os males está no medo. É o medo que atrapalha o seu sonho.
É o medo que impede inclusive um verdadeiro encontro acontecer…

Por isso que mídia, religião, política e indústria farmacêutica ganham milhões e milhões.
Eles lucram com seu medo.

Chega de bengalas. Chega de dar desculpas.
Você permitiu os grilhões invadirem e dominarem a sua mente.
Acreditou em falsas crenças…
Agora é hora de se libertar.
E por favor, não espere por salvadores, nem mestres, guias ou professores…
Esse processo terá que ser solitário. É uma questão de alma…
Esbarrará com alguns aliados que lhe darão boas dicas, tenha atenção.
Encontrará com inimigos que irão testar o seu intento. Agradeça.
As dificuldades surgem para o fortalecimento do espírito.
Enquanto não mergulhares no abismo do vazio, jamais estarás no topo por inteiro.

: :

Comentários

Coentários